Recursos Humanos

Setor de RH: decisões que não deram certo têm solução

13 de Fevereiro de 2017 | por Equipe Benner

Flexibilidade do local de trabalho, dinamismo no horário de expediente e diversidade na formação de profissionais no setor são algumas das tendências citadas pela Forbes para o ano de 2016. Mas será que todas essas mudanças no RH se aplicam diretamente e, principalmente, de forma assertiva a todas as empresas?


A resposta não está em uma fórmula pronta. Mas nem sempre tudo o que é apontado como tendência funciona para todas as empresas e todos os segmentos. Antes de implementar uma nova mudança a partir do RH, o primeiro passo é buscar um diagnóstico da empresa. Colocar “no papel” os possíveis pontos positivos e negativos desse novo modelo a ser implantado pode ajudar nisso.


Vantagens e desvantagens em promover as mudanças no RH


Inovar dá trabalho, exige persistência, investimento e envolve riscos. O maior desafio está na mudança de postura das pessoas nas organizações dispostas a inovar. Isso pode ter várias explicações: medo, falta de confiança ou falta de iniciativa por achar que inovação pode significar sobrecarga de trabalho.


Em muitos casos, é preciso primeiro vencer obstáculos como esse e contar com mais agentes da empresa envolvidos no processo de implementação de um novo modelo. Essa pode ser uma forma de encontrar as melhores soluções para a empresa com menos investimento e no menor espaço de tempo.


O que fazer quando as tendências de RH não dão certo?


É preciso parar e realinhar o sistema todo. Observar preferências e necessidades dos empregados e de todos os envolvidos na organização, bem como os objetivos de negócio que precisam ser alcançados com as mudanças no RH. É o caso de o RH promover algumas pesquisas internas, fazer uma análise da situação para ter uma visão mais aprofundada dos pontos falhos do processo. Com esse olhar mais direcionado, fica muito mais fácil visualizar estratégias mais assertivas. Para isso, é importante lembrar que o setor de RH pode sempre recorrer a algumas análises básicas:


  • Pesquisa de clima organizacional: O objetivo de mapear ou retratar os aspectos críticos que configuram o momento motivacional dos colaboradores da empresa por meio da apuração de seus pontos fortes, deficiências, expectativas e aspirações.
  • Pesquisa de equipamentos: Não tendo as condições e as ferramentas adequadas para trabalhar, o time pode ser afetado negativamente na medida em que são estimulados a participar de novas propostas, mas não tem como colocar em prática suas ideias por falta de equipamentos.
  • Feedback dos colaboradores: Investir em revistas e informativos internos é importante, mas não se pode esquecer da conversa pessoal que ajuda a motivar o funcionário e torná-lo importante para a organização.
  • Pesquisa de cargos e salários: Equiparação salarial, acúmulo de função e desvio de função são situações muito comuns em empresas. Quando o RH possui essas informações, fica mais fácil evitar desmotivação da equipe, mantendo o time alinhado e disposto a aceitar mudanças em sintonia com a empresa.
  • Turnover (Rotatividade): Fica muito mais difícil implementar algo novo na sua empresa, se o índice de entrada e de saída dos funcionários está muito elevado. Primeiro é preciso prestar atenção a essa questão pontual para depois dar um passo maior.  

Esses são apenas alguns indicadores que podem ser utilizados para aderir com sucesso às tendências de RH. Havendo necessidade, podem ser criadas outras pesquisas que atendem melhor o momento pelo qual o setor de RH está passando. Esta proposta é uma saída muito interessante para um problema encontrado em diversas organizações na atual era da informação onde o resultado principal é muitas vezes difícil de ser alcançado.


A tecnologia ajuda


A automação dos processos pode liberar mais tempo para os profissionais de RH, de forma que seja possível levantar, agrupar e organizar todas as informações ditas anteriormente. Utilizar uma solução tecnológica no setor de RH é muito mais seguro e eficiente para os profissionais que precisam de produtividade e inovação na gestão de pessoas. Isso porque fornece informações estratégicas e permite acompanhar indicadores que ajudam na tomada de decisão e possíveis correções a serem feitas. A tecnologia é um investimento que vale à pena, ajuda a minimizar os riscos de erros e o profissional de RH consegue ter mais tempo livre para pensar em estratégias.

Antes de seguir as tendências de RH, é preciso verificar os padrões da empresa, os perfis dos funcionários e como possivelmente será recebido o novo formato. É importante prevenir a remediar, mas também vale manter a calma no caso de um novo processo ou modelo não obter os resultados esperados, porque sempre há como reverter ou aprimorar algum aspecto.

rh_benner_cta

Comente