Operadoras de Saúde

Gestão em saúde: como o investimento na tecnologia certa otimiza o atendimento

9 de Dezembro de 2016 | por Equipe Benner

Para garantir o direito a quase 50 milhões de beneficiários no Brasil, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) anunciou, recentemente, novas regras que visam melhorar o atendimento prestado pelas operadoras de planos de saúde. Definidas pela Resolução Normativa (RN) 395, as novas medidas estabelecem prazos para a prestação de informações ao usuário do plano de saúde.

Essa resolução determina que, quando acionadas, as operadoras devem fornecer prontamente as informações e orientações sobre os procedimentos ou serviços solicitados aos beneficiários, explicando os detalhes da cobertura do plano contratado. Para isso, as grandes operadoras são obrigadas a oferecer atendimento telefônico durante 24 horas, sete dias por semana, e as de médio e pequeno porte, devem ter canal telefônico para atendimento em horário comercial e um acesso integral para casos emergenciais.

Mas, se por algum motivo não for possível passar ao cliente a informação que ele precise imediatamente, referente à solicitação de algum procedimento médico ou serviço, as operadoras terão o prazo máximo de cinco dias para retornar com uma solução. Caso o pedido seja negado, precisará ter justificativa.

Um desafio enorme para a gestão em saúde, não é?

Como se adequar às exigências da ANS?

A agilidade no atendimento é fundamental para a fidelização dos clientes. Sendo assim, as operadoras, além de investirem em treinamentos constantes, precisam contar com sistemas de gestão eficientes e de fácil usabilidade.

Até mesmo porque, a RN 395 pede que todos os dados do atendimento ao beneficiário sejam arquivados pelo prazo de 90 dias. Caso esse procedimento não seja cumprido, a operadora de saúde por ser multada em até R$ 30 mil.

Para evitar esses transtornos, existem no mercado brasileiro, softwares de gestão de qualidade, capazes de contribuir para uma relação mais eficiente entre operadoras, prestadores e beneficiários.

Na prática, a tecnologia em saúde parametrizada de acordo com cada empresa, ajuda na consolidação de dados e na liberação automática de centenas de procedimentos a milhares de credenciados, otimizando o processo, reduzindo custos e trazendo mais agilidade na operação.

Implementar um software que integre e consolide todos os dados dos beneficiários e de toda a rede credenciada, de forma ágil, facilita a vida de todos os atendentes e clientes. Em poucos minutos é possível realizar um procedimento padrão, sem erros e de forma eficiente. E ao fazer uso do BI em saúde, integrando a solução de business intelligence à ferramenta de gestão, você ainda consegue identificar possíveis gargalos na operação e corrigir as rotas antes que comprometam o sucesso da sua operação.

Para a operadora de saúde, investir em tecnologia significa aumento de performance no atendimento ao beneficiário, redução de custos com ligações e preservação de multas por descumprimentos de normas reguladoras. 

cta_saude_benner

Comente