Muitos são os fatores que influenciam os preços de produtos e serviços. E um deles é a Lei da Oferta e da Procura, que a economia entende como um modelo de determinação de preços em um mercado. Se a oferta é maior que a procura, os preços tendem a cair. Quando a procura ou demanda é maior, a tendência é contrária: os preços sobem. E isso tem relação direta com a economia em viagens.

Para quem trabalha em agências de viagem, encontrar no mercado uma relação equilibrada entre a oferta e a procura de voos domésticos ou voos internacionais é importante. Tanto para aumentar as alternativas para seus clientes, quanto para conseguir gerar economia.

Por isso, o mercado vem comemorando a chegada de novos voos internacionais ao Brasil, que aumentam as opções das agências e melhoram a relação com os clientes.

Companhias aéreas internacionais encontram espaço no mercado brasileiro

Com a melhora da econômica registrada nos últimos meses, os brasileiros voltaram a viajar para fora do país. Essa demanda incentivou companhias aéreas internacionais a aumentar rotas e disponibilidade de assentos para destinos no exterior.

Os indicadores de mercado já traziam bons resultados nos últimos anos. Segundo a IATA ( Associação Internacional de Transporte Aéreo), entre março de 2016 e março de 2017, a capacidade de atendimento dos voos internacionais foi ampliada em 6,1% e gerou um incremento da taxa de ocupação das aeronaves chegando a 80,4%. O aumento da demanda pelo transporte aéreo de passageiros foi liderado pela região da Ásia-Pacífico, seguida pela América Latina.

Na época, Alexandre de Juniac, presidente da IATA, afirmou que "A forte demanda de tráfego continuou ao longo do primeiro trimestre, apoiada por uma combinação de tarifas mais baixas e recuperação geral nas condições econômicas globais".
Segundo Alexandre, o preço das viagens aéreas diminuiu cerca de 10% durante o ano de 2016, o que também contribuiu para o aumento da taxa de ocupação.

Ainda segundo a organização, já em 2017, as empresas latino-americanas do setor tiveram um aumento de 9,3% no tráfego. Essa foi a maior taxa desde o ano de 2011. Parte desse aumento se deve a melhor economia, parte ao custo das viagens na América Latina, considerado alto.

Aproveitando esta onda, companhias anunciam expansão de linhas e assentos por aqui. A Air France KLM planeja ter o maior número de rotas já operadas pela companhia no mercado brasileiro. Nos últimos dois anos, a empresa reduziu a frequência de voos, mas para 2018, prevê um aumento de 26% na oferta.

Já a marroquina RAM está investindo em voos a partir da capital do Ceará, com rota direta a Casablanca, no Marrocos. Hoje já existem rotas de São Paulo e Rio, e a empresa aguarda aprovação da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) para a nova opção.

A Emirates anunciou um novo voo, com capacidade para 302 passageiros, entre Emirados Árabes e Santiago, no Chile, com parada em Guarulhos. Os voos desta companhia, entre Dubai e Buenos Aires, na Argentina, com escala no Rio de Janeiro, apresenta taxa de ocupação superior a 80%.

Agências de viagem: como aproveitar as novas ofertas

Para as agências de viagens, essas notícias vêm bem a calhar. Novas rotas, mais assentos: é o aumento da oferta para gerar economia em viagens e mais opções de serviços. Consequentemente, melhorar a experiência do cliente.

Mas para que sua agência também possa aproveitar essas boas notícias, é preciso, além de acompanhar o surgimento das novas ofertas, estar em compliance com a IATA e contar com automação para alavancar as vendas.

Afinal, com novas regras de bagagem e outros serviços acessórios, além da opções de voos internacionais, a variedade de pacotes a oferecer a seus clientes é maior. Mas a gestão da sua agência precisa estar preparada, para de fator, garantir bons resultados.

Continue acompanhando o blog para saber tudo sobre o setor e como sua agência deve se preparar para ser a preferida do seu cliente.

 

viagem_corporativa_ benner