Logística

Consumo dos Pneus: fator diretamente ligado ao custo logístico no Brasil

9 de Junho de 2016 | por Equipe Benner

Operação logística é um serviço fundamental na cadeia de produção e distribuição e, em tempos de crise, trabalha com margens ainda mais apertadas. Por isso, a gestão dos custos é de suma importância para a sustentação do negócio. Cada modal tem suas particularidades, mas lançando uma luz sobre o transporte terrestre e considerando a extensão e distribuição por todo o território nacional, a demanda é intensa. De acordo com dados da Confederação Nacional dos Transportes (CNT) e do IBGE, 61,1% de toda a carga transportada no Brasil usou o sistema modal rodoviário.

Entre os fatores que contribuem para o aumento de custos da frota, assim como com a baixa disponibilidade dos veículos, está o consumo dos pneus. O pneu, além de ser um artigo de alto custo, precisa de muita atenção e cuidado quanto às rotinas de manutenção e troca. Isso porque qualquer descuido pode interferir drasticamente no desempenho da frota. O simples fato de rodar com pressão 20% abaixo do ideal aumenta o desgaste de um pneu em 16%, por exemplo.

E na sua empresa de transportes, como está a rotina de controle de pneus da frota?

Os procedimentos de manutenção devem prever na rotina da frota de ações básicas, porém bem controladas, como a calibragem dos pneus, para garantir que a pressão de ar, fator crucial na vida útil dos pneus, esteja sempre dentro das recomendações dos fabricantes e de acordo com a carga a ser transportada. As pressões devem ser verificadas semanalmente e sempre com os pneus frios. Ah, o estepe também deve ser calibrado! Nesse processo, é importante lembrar de examinar as válvulas dos pneus, para garantir que não existam vazamentos de ar e que todas as válvulas estejam com suas respectivas tampas.A malha rodoviária do Brasil é uma das maiores do mundo, porém apinhada de buracos e irregularidades que oneram o custo do trasnporte como um todo. Esses impactos sofridos nas entradas desalinham os veículos e aumentam o custo com peças de reposição. Por isso, fazer o alinhamento a cada 10 mil quilômetros rodados ou no momento de troca dos pneus é uma ação preventiva que contribui para aumentar a vida útil dos pneus. Outro ponto de atenção é a perda de tração, vibrações ao dirigir e desgaste irregular dos pneus ou outros componentes mecânicos, como a suspensão. Tudo isso tem relação direta com a falta de balanceamento. Se o motorista perceber alguma dessas características no veículo,  deve encaminhá-lo ao balanceamento - a regra dos 10 mil quilômetros rodados ou o momento de troca dos pneus também vale. E como os pneus do eixo motriz costumam se desgastar três vezes mais rapidamente do que os outros, procure planejar o rodízio, juntamente com o alinhamento e balanceamento dos veículos.




Avaliações visuais também ajudam. Oriente os motoristas para que, caso notem mais desgaste em um pneu do que em outro, informem os responsáveis pela manutenção da frota.


O consumo de pneus é um dos indicadores de logística que mais impactam no custo da frota, e consequentemente nos resultados da operação.


Então, sua transportadora pode adotar o seguinte procedimento: antes de um caminhão sair carregado do pátio da transportadora, deve passar pela checagem das condições dos pneus - aquelas citadas acima.


Depois, no retorno, deve também ser realizada uma vistoria, para verificação das condições dos pneus após a viagem, em caso de deslocamentos mais longos, por exemplo.


Ter o controle de quanto de pneu é gasto pela frota, qual é o prazo médio ideal para troca e qual é o melhor fornecedor são perguntas que podem ser respondidas por meio de um sistema de informação para logística. Com automação logística é possível ter controle e gestão efetivos do consumo de pneus da frota e até aumentar sua vida útil, contribuindo consideravelmente para a redução de custos da sua operação logística.

cta-horizontal-benner-logistica-p3

Comente