Imagine o seguinte cenário: toneladas de papéis, pilhas de documentos, milhares de processos, centenas de relatórios periódicos enviados pelos escritórios terceirizados. Se identificou? Pois saiba que a tecnologia de IA (Inteligência Artificial) pode trazer muitos benefícios para a gestão jurídica. Para comprovar isso, o JP Morgan, maior banco dos Estados Unidos, estima que, por meio de IA, são processadas em segundos, análises que consumiam 360 mil horas de trabalho de advogados por ano.

E neste post você vai saber mais sobre como IA pode ser benéfica na rotina do seu departamento jurídico.

IA faz o que é humanamente impossível

De acordo com estudo da Thomson-Reuters, a IA pode desempenhar um papel significativo na área jurídica, aumentando a produtividade dos profissionais - não substituindo-os, como muitos podem pensar. Afinal, as equipes jurídicas não têm tempo e mãos suficientes para rever milhares de notas e itens dos processos.

Se esse dia a dia burocrático já excede o tempo disponível dos profissionais do departamento jurídico, pense, então, no esforço necessário para classificar tendências, detectar padrões, procurar desvios e anomalias.

Ainda citando o caso do banco JP Morgan, a plataforma de IA extrai informações que identificam padrões e relacionamentos e permite que o banco reduza os erros de manutenção de empréstimos. A maior parte destes erros é resultante de falha de interpretação humana, efeito da massa gigantesca de variáveis a serem analisadas.

Em um painel sobre IA no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, em 2017, o CEO da IBM, Ginni Rometty e a CEO da Microsoft, Satya Nadella, enfatizaram como ela pode melhorar a engenhosidade humana. Eles acreditam que é possível criar oportunidades ainda maiores para os profissionais que abraçarem essa nova realidade.

Por isso, todas as áreas e profissionais devem olhar para a IA como uma oportunidade de transformação de seus serviços. Que tal uma reflexão: como você está olhando para isso?

IA já está entre nós

Se você acredita que o uso da Inteligência Artificial na gestão jurídica é coisa do futuro, saiba que já existem diversos exemplos no mundo e que não tardam a chegar ao Brasil. Um artigo no site Artificial Lawyer (Advogado Artificial), sobre novas tecnologias na área jurídica, fala sobre como a aplicação do sistema Watson, da IBM, está mudando o mundo jurídico.

Bancos, como o JP Morgan, companhias de seguros e empresas em todo os EUA e Reino Unido apostaram na plataforma de inteligência artificial “Outside Counsel Insights (OCI)” da IBM Watson. Cortar seus custos e avaliar os serviços prestados por seus advogados são alguns dos seus objetivos.

Confira como a tecnologia de IA na gestão jurídica já é usada para diversas atividades:
Em pesquisas legais e para projetos piloto que tentam prever resultados de litígios;

  • Na automatização de tarefas repetitivas, como a elaboração de acordos de menor exposição ou de baixa responsabilidade;

  • Com amostragem para identificar documentos relevantes;
  • Na busca e coleção de cláusulas para revisão durante uma due diligence transacional, por exemplo;
  • Na avaliação do desempenho dos serviços contratados aos escritórios parceiros.

 

Um exemplo é o ‘Ross’, um tipo de advogado virtual desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Toronto (Canadá), com base em serviços de computação da IBM. Quando conectado ao banco de dados de processos judiciais, o supercomputador consegue consultar milhões de arquivos e responder em linguagem natural quais documentos são relevantes para o caso. Essa tarefa exigiria horas de pesquisa se realizada por um humano. Com o Ross, é necessário apenas alguns segundos.

Machine learning e chatbots são exemplos de IA 

machine-learning

O chatbot BIA (Benner Inteligent Assistant) é um exemplo brasileiro de como a Inteligência Artificial pode contribuir no atendimento e relacionamento empresa-cliente.

Ao analisar e consultar uma base gigantesca de dados e interações, a BIA que, no caso, é uma representação feminina, responde em linguagem humana. BIA auxilia nos chamados dos clientes da Benner, dá detalhes e prazos de determinado chamado e consegue priorizá-los, conforme solicitação.

Os gestores das áreas jurídicas das empresas precisam perceber o potencial da IA para transformar seus departamentos, reduzir custos, desenvolver estratégias de negócios, minimizar os riscos contratuais e avaliar os serviços dos escritórios contratados. Adotar ferramentas de Inteligência Artificial na gestão jurídica já está se transformando em realidade porque, simplesmente, elas já estão por aqui e em todos os lugares. Você vai ficar de fora?

New Call-to-action